Covid-19

Análise genética pode orientar tratamento eficaz contra a covid-19

Teste que estuda o DNA do indivíduo busca otimizar o tratamento e evitar efeitos colaterais de medicamentos. Empresa GnTech já disponibiliza os exames para compra e realização individual.

Redação O Otimista
redacao@ootimista.com.br

A medicina tem buscado otimizar o tratamento dos pacientes por meio do estudo do DNA, para que cada indivíduo receba os remédios adequados e necessários para recuperação e uma redução de possíveis efeitos colaterais. Nos Estados Unidos, a chamada medicina de precisão já é utilizada no tratamento de crianças com leucemia e HIV. No Brasil, o laboratório GnTech busca utilizar a tecnologia farmacogenética para descobrir qual o melhor medicamento para cada pessoa com covid-19.

Estudos realizados mostram que cada pessoa tem reações diferentes à doença a longo prazo, pertencendo a um grupo de risco ou não. Verificar o método indicado para cada indivíduo pode ajudar na hora de testar remédios que têm uma ação positiva contra a doença viral, como a hidroxicloroquina, outros antibióticos, antivirais, anticoagulantes e antiparasitas. De acordo com o médico do Hospital Albert Einstein e sócio fundador do laboratótio GnTech, Guido May, o critério é apenas incluir genes com uma comprovação científica mais alta. Os compostos remdesivir e a dexametasona não estão incluídos.

O processo de análise utilizado pelo laboratório investiga 60 genes e 172 fármacos voltados para tratamentos de doenças infecciosas (como a covid-19), cardiovasculares, oncológicas e psiquiátricas, como ansiedade, depressão e transtorno bipolar.

De acordo com Guido, os genes são impactados pela medicação de três formas diferentes: “Na metabolização, de que maneira ele será metabolizado pelo corpo e portanto em que dose ele vai correr pelo sangue do paciente, impactam na resposta, de que maneira o medicamento vai atingir o sistema nervoso dos humanos e o teste mostra se o medicamento será bom e também na toxicidade, o que mostra se o remédio vai ter mais ou menos efeitos colaterais. Usamos nossos algoritmos para cruzar todos esses dados”, afirmou em entrevista à Exame.

O teste que avalia as quatro frentes genéticas, o Totalgene, custa R$ 3.893, já o especializado custa R$ 3.380, com a possibilidade de parcelamento para as duas opções. O Albert Einstein e outros laboratórios parceiros terão os exames disponíveis, e os pacientes poderão realizar o teste por conta própria e depois levá-lo a um especialista para que o resultado seja avaliado e sirva de base para um tratamento medicamentoso efetivo.

Conforme May, os exames possibilitam uma eficácia maior para o tratamento de infectados pelo coronavírus, de modo que otimize tempo e eficiência de custos e cuidados com os pacientes. Com vários estudos de tratamentos e vacina contra a covid-19 ainda sem aprovação, as análises realizadas ainda são consideradas experimentos.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS