Páginas Vermelhas

“A gente quer empoderar pessoas por meio do empreendedorismo”

A empresária Ticiana Rolim acredita que o equilíbrio é o ponto chave para que possa haver um avanço na redução das desigualdades entre mulheres e homens no ambiente de trabalho. Defensora do empreendedorismo de impacto social, ela fundou a Somos Um e acredita que o futuro das empresas está em se voltar a trabalhar com as pessoas e seu entorno, modificando suas vidas

Heloísa Vasconcelos

heloisavasconcelos@ootimista.com.br

Ticiana Rolim, como ela mesma diz, começou a empreender aos 17 anos. “Eu fazia bijuterias com uma amiga e a gente vendia nas feiras”. Desde então, não parou mais e viu que o empreender pode abrir novas oportunidades e visões. Em um mundo capitalista onde “o dinheiro é quem manda”, Ticiana arregaçou as mangas e criou a “Somos um”, empresa de impacto social que tem como objetivo transformar a realidade de pessoas que vivem em bairros periféricos, incentivando o empreendedorismo e empoderando essas pessoas.
Ticiana acredita no capitalismo consciente como única saída possível para as empresas, “se não por consciência, por sobrevivência”. Ao O Otimista, a empresária, que também comanda a C.Rolim Engenharia, reforça que o mercado ainda hoje é preconceituoso com as mulheres e defende que tanto homens como mulheres possam equilibrar seus “masculinos” e “femininos” para serem líderes mais humanos e empáticos. Ela também acredita na autorresponsabilidade: “é papel de todos mudar o mundo”.

O Otimista – O empreendedorismo foi herdado ou você considera ter aprendido com o tempo?
Ticiana Rolim – Primeiro a gente precisa saber a diferença entre empresário e empreendedor. O empreendedor é aquele que cria, que começa, que arrisca, que está com força de pegar uma ideia e transformá-la em realidade. Nem todo empreendedor é empresário e nem todo empresário é empreendedor, pode ficar um pouco confuso isso. Eu diria por exemplo que o meu avô foi um empreendedor, começou o negócio do zero. Eu, por exemplo, até um dia desses me considerava mais empresária do que empreendedora, porque eu geria o negócio, não necessariamente iniciei esse negócio. Só que aí eu comecei a perceber que a gente pode empreender dentro do próprio negócio. A gente pode criar projetos novos, criar frentes novas, e não necessariamente precisa ser um negócio do zero, não necessariamente precisa mudar de ramo. E aí, voltando aqui para mim, eu comecei a trabalhar muito cedo. Eu cheguei na empresa com 21 anos, mas eu comecei com 17 e eu empreendi um pequeno negócio, na verdade eu fazia bijuterias com uma amiga e a gente vendia nas feiras. Eu não fui direto para o Grupo C. Rolim, eu fui para outros rumos, trabalhei com minha mãe e com minha irmã na Casa Rosa, que era uma casa de chá e um antiquário, e só depois, aos 21 anos, que eu fui convidada a entrar no Grupo C. Rolim e fazer parte da empresa da família. É muito desafiador, o mercado é muito dinâmico, a vida é muito dinâmica. E eu considero que hoje a pessoa que vai ter sucesso é a pessoa que consegue ter flexibilidade e consegue se reinventar.

O Otimista – Você fala bastante sobre empreendedorismo de impacto social. Para você, o que é isso e como aplicar no dia a dia como empresária?
Ticiana Rolim – Os negócios de impacto social para mim, o que eu acredito e o que o mundo vem mostrando, é o que vai ser a solução para o capitalismo. A gente viu, teve a época do fascismo, comunismo, agora o liberalismo, mas ainda assim a gente não encontrou um caminho que deu certo. Porque ainda existe fome, a desigualdade está no mundo e tem uma série de desafios enquanto humanidade que ainda precisam ser resolvidos. E eu humildemente acredito que os negócios de impacto social são a solução para isso. Um capitalismo mais consciente, as empresas precisam também se sentirem responsáveis pelos desafios sociais. Não dá para dizer que é só o governo. Eu escuto empresários dizerem “eu pago imposto, eu gero emprego e o governo que não sabe o que faz com meu dinheiro” e esse discurso não vai levar a gente para a frente. A gente precisa fazer autorresponsabilidade em cada setor e se unir, ao invés de ficar um culpando o outro, parar desse jogo de acusação, se unir e dizer: “qual é o problema?” Os negócios de impacto social nada mais são que algo entre o segundo e terceiro setor, que é um coração social e cabeça de negócio. Ele é um negócio como qualquer outro. Ele precisa dar lucro, eu não tô fazendo apologia à pobreza, não acho que as empresas não precisam lucrar, mas lucrar a qualquer custo não.

O Otimista – E como isso pode mudar?
Ticiana Rolim – Eu falo que tem que mudar de uma forma bem rígida porque é o que eu acredito. Não dá mais para hoje diante do que a gente está vendo – tanto no meio ambiente como com as pessoas – uma empresa tomar uma decisão que beneficia o lucro e ter impacto negativo no meio ambiente, por exemplo. É inaceitável nos dias de hoje. E aí o negócio de impacto social vem exatamente para preencher essa lacuna. É um negócio como qualquer outro, mas o indicador para tomada de decisão não é só o lucro. Ele precisa ter um impacto positivo. Ele existe para resolver um problema social ou ambiental.

O Otimista – Quais as principais diferenças entre o empreendedor social e o tradicional?
Ticiana Rolim – A grande diferença é que o tradicional cria um negócio visando atender a uma necessidade de mercado ou uma inovação tecnológica. O empreendedor social é “eu quero resolver o problema da pobreza no Bom Jardim” ou “eu quero resolver o problema da violência”, por exemplo. Como é que eu vou resolver esse problema, e depois, como é que eu vou ganhar dinheiro com isso? Vem primeiro o problema. A Somos Um nasceu assim. A gente quer empoderar pessoas através do empreendedorismo. A gente começou no Bom Jardim. Fizemos o Hackathon social, pegamos alunos da Unifor e moradores do Bom Jardim durante um final de semana e nos unimos, dormimos lá, transformamos a sala de aula de uma escola pública em quartos, dormimos em colchões no chão, e naquele momento éramos todos um. E aí a gente criou negócios de impacto social para resolver problemas do bairro nas equipes. E agora a gente está acelerando quatro negócios que surgiram nesse Hackathon do bairro. Quando acabar nesse bairro, vamos para outro. Os negócios de impacto social para mim são a solução para a gente não se extinguir enquanto espécie, e eu digo mais, se a sua empresa não se tornar num capitalismo consciente, se ela não se preocupar com o impacto social e sustentável que ela vai gerar por consciência, vai precisar fazer por sobrevivência.

O Otimista – Como é empreender sendo mulher e tendo essa visão?
Ticiana Rolim – Na Somos Um, por exemplo, a gente prioriza apoiar mulheres. Hoje a gente tem uma turma no Bom Jardim de 30 pessoas para trabalhar gestão da emoção, meditação, líder de si mesmo, empreendedorismo, como abrir o seu negócio, como vender, como criar uma ideia. 29 são mulheres e um é homem. Se depender de mim a gente vai priorizar mulheres. Nada contra os homens, tem homens incríveis aí, mas como as mulheres ainda tem muito a chegar. Quando elas chegarem com as mesmas oportunidades dos homens, aí eu vou rever os meus conceitos e a gente vai começar a equalizar. Mas hoje a prioridade do Somos Um é investir em mulheres. Eu também não quero entrar na fala do feminismo exacerbado que mulheres precisam ocupar espaços, porque eu acho que mulheres precisam equilibrar o masculino e o feminino. Homens precisam equilibrar o masculino e o feminino. Isso tem a ver com equilíbrio, yin yang. Eu convido as mulheres a terem esse cuidado: O quê que te motiva a ocupar um espaço de poder? É de fato olhar com empatia para as pessoas, com flexibilidade. Isso faz uma diferença enorme.

2 respostas para ““A gente quer empoderar pessoas por meio do empreendedorismo””

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS