Jornal Impresso

Sobral caminha para redução de infecções pelo novo coronavírus

Avaliação de gestores municipais e estudo da UFC apontam que velocidade de contágio por covid-19 na cidade reduziu na última semana. Ocupação de leitos é importante para retomada

Danielber Noronha
danielber@ootimista.com.br

Foto: Ascom / Prefeitura de Sobral

Enquanto a covid-19 ganha intensidade no Cariri, Sobral faz caminho contrário e começa a adquirir tendências de estabilidade. De acordo com a Prefeitura do município, gestores de 29 dos 36 postos de saúde espalhados na sede e nos distritos relatam diminuição na procura de atendimento médico com sintomas respiratórios.

Estudos realizados por especialistas em Estatística e Epidemiologia da Universidade Federal do Ceará (UFC) confirmam comportamento de declínio na taxa de contaminação e óbitos pela doença na região.

Até sexta-feira (3), o IntegraSUS – plataforma da Secretaria da Saúde (Sesa) do Estado – notificou 7.145 casos confirmados do novo coronavírus em Sobral, segundo foco da doença no Ceará. Durante a última semana, a média diária de novos casos foi de 140. Na semana anterior, eram aproximadamente 191 confirmações de contaminação pelo vírus. Ainda segundo o referido boletim, 5.765 pessoas estão recuperadas de complicações causadas pelo novo coronavírus. Desde início do surto pandêmico, foram registrados 239 desfechos fatais.

“Esses números mostram que está havendo diminuição, mas é preciso que continuem a cair por mais uma semana. O ideal é que sejam 14 dias em declínio para começar a cogitar retomar as atividades econômicas na Cidade. Caso contrário, pode desencadear uma nova onda de casos”, pondera Lígia Kerr, epidemiologista e professora da UFC.

Inquérito sorológico
Biólogo e epidemiologista, Luciano Pamplona pondera que a base não deve ser o número de casos confirmados, sendo o inquérito sorológico, de acordo com o professor da UFC, a melhor ferramenta para entender estágio da doença. “Fazer estatísticas em cima dos casos é estar limitado à capacidade de testagem, o que, consequentemente, limita o poder de resposta.”

De acordo com a SMS, 13.845 pessoas foram testadas, totalizando 6,6% da população geral do município. A pasta municipal afirma que estão sendo realizados entre 300 e 450 testes diariamente. Sobral deve começar testagem em massa nas próximas semanas, sem data definida. “O mais importante é que a taxa de reprodução do vírus esteja abaixo de 1, onde uma pessoa não é capaz de infectar outra”, explica Lígia.

“O que sabemos até agora é que Sobral teve uma taxa de prevalência muito alta, de 25%, ou seja, 1 a cada 4 pessoas da cidade tive contato com o vírus, o que justificaria o grande número de casos”, ressalta. As medidas de isolamento, de acordo com o docente, aconteceram no momento certo. Sobral está sob regime de isolamento social mais rígido desde 30 de maio, sendo a cidade cearense a permanecer por mais tempo em lockdown. Restrições de mobilidade valem até este domingo (5), como estabelecido no Diário Oficial do Estado (DOE).

Retomada é correta se ocupação de UTIs for inferior a 70%
Especialistas destacam que as atividades regulares em Sobral devem recomeçar somente quando a taxa de ocupação dos leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) estiverem abaixo de 70%. Até sexta-feira (3), atualização do IntegraSUS marcava ocupação de 81,33% nos leitos de UTI disponíveis para pacientes com covid-19. Em relação aos leitos de enfermaria, a ocupação estava em 59,63%.

Sobral foi o primeiro município a receber leva de respiradores oriundos da última remessa adquirida pelo Governo do Estado. Ao todo 30 equipamentos chegaram ao Ceará, sendo 10 para o Hospital Regional Norte (HRN); 10 para a Santa Casa de Misericórdia de Sobral; cinco para o Hospital do Coração e outros cinco para o Hospital de Campanha municipal. O HRN conta com 206 leitos exclusivos para pacientes com a doença (125 UTIs e 81 enfermarias).

De acordo com a SMS, há pelo menos 15 dias não é registrada nenhuma transferência de pacientes para atendimento na rede hospitalar de Fortaleza, que está sendo utilizada como retaguarda para municípios do Interior. Epidemiologista e professora da UFC, Lígia Kerr chama atenção para a necessidade de manter distanciamento social e medidas sanitárias quando o município começar a retomada das atividades. “É preciso abrir na hora certa e continuar com medidas de segurança para não precisar fechar tudo outra vez.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS