Política

Eleitor é mais exigente na escolha do candidato majoritário

Edison Silva
edisonsilva@ootimista.com.br

Fortaleza estará sob novo comando em 2021. (Foto: Prefeitura de Fortaleza)

Moroni Torgan, atual vice-prefeito de Fortaleza, e Inácio Arruda, agora, secretário do Governo Camilo Santana, embora muito bem votados em quase todas as disputas proporcionais de que participaram , não lograram êxito, porém, em nenhuma das eleições para a Prefeitura de Fortaleza. Ambos concorreram quatro vezes, chegaram cada um em um segundo turno, e só. Desistiram, cientes de que, para ser prefeito ou governador é muito mais difícil que ser deputado ou mesmo senador. O eleitor é sempre mais exigente na escolha dos nomes para as chefias dos executivos, daí as eleições de prefeito na Capital cearense terminarem sendo muito disputadas.

Em apenas duas eleições municipais, em Fortaleza, desde quando os eleitores das capitais brasileiras voltaram a eleger os seus próprios prefeitos, EM 1985, não aconteceram as disputas nos níveis das mais recentes na Capital cearense. A primeira, em 1992, quando Juraci Magalhães, no exercício do cargo, elegeu Antônio Cambraia, então secretário de Finanças, um personagem até aquele momento desconhecido do universo político local. Cambraia derrotou Assis Machado, candidato do Governo do Estado, exercido por Ciro Gomes, no auge da força política do hoje senador Tasso Jeressati. Machado teve menos da metade dos votos de Antônio Cambraia.

A segunda eleição mais fácil, mais até que a vitória de Cambraia sobre Machado, foi a de Juraci Magalhães versus Inácio Arruda em 1996. Juraci teve três vezes mais votos que Inácio. Todas as demais eleições, de 1985 até a última, em 2016, foram realmente bem disputadas, como também será a próxima, em outubro deste ano. A primeira dessas eleições, inaugurando o novo período de disputa nas capitais, tolhidas desde 1964, quando foi instalado o regime militar, foi sem dúvida a mais impactante.

Em 1985 Maria Luíza Fontenele venceu Paes de Andrade, até então dado como eleito pelas pesquisas de três dias antes da votação. Mas em termos de diferença de votos, foi mais acirrada a disputa entre Ciro Gomes e Edson Silva, em 1988. Ciro, candidato de Tasso Jereisssati, como governador, foi eleito com uma diferença de apenas 5.317 sufrágios.

A partir do ano 2000, com o prestigio de Inácio Arruda em alta, e o surgimento de Moroni Torgan e Luizianne Lins nas disputas pela Prefeitura de Fortaleza, as eleições municipais assumiram novos ares. Naquele ano, Juraci venceu Inácio Arruda, no segundo turno. Em 2004 os protagonistas do segundo turno foram Moroni e Luizianne. Esta chegou em segundo lugar no primeiro turno, e acabou ganhando a eleição. Em 2008, apoiada pelo governador Cid Gomes, Luizianne venceu novamente Moroni, mas desta vez já no primeiro turno.

Em 2012, o vencedor foi Roberto Cláudio. Elmano de Freitas, candidato de Luizianne, chegou no primeiro turno da disputa à frente de Roberto Cláudio. Em 2016, Roberto Cláudio disputou o segundo turno com o Capitão Wagner. E neste ano, com a previsão de disputa no mesmo nível das últimas disputas, sem dúvida o segundo turno será entre o candidato do prefeito, e um oposicionista que tanto pode ser o próprio Capitão Wagner ou a ex-prefeita Luizianne Lins.

Deixe uma resposta

Compartilhe

VEJA OUTRAS NOTÍCIAS